RECUPERAÇÃO DE CRÉDITOS

A proposta de trabalho oferecida pelo PF Advofados é excluir da empresa a obrigação de cobrar os referidos créditos de seus clientes, evitando desgastes interpessoais e, ainda, proporcionando melhores resultados, tendo em vista a especialidade do escritório quanto ao tema.

Proporcionamos aos nossos clientes a criação da melhor estratégia, conforme especificidade de cada operação, objetivando – sempre – a efetiva e célere recuperação de créditos para o a empresa; garantindo que cada estágio da cobrança seja realizado de forma segura, estritamente ética e alinhada aos preceitos jurídicos.

DÚVIDAS COMUNS:

A cobrança judicial é uma das formas de recuperação de crédito na qual o devedor será coagido a quitar a dívida por meio de instrumentos do Poder Judiciário. Existem distintas ações de cobrança cabíveis, razão pela qual nossos especialistas poderão vislumbrar qual a melhor forma de obter o crédito pendente rapidamente, considerando que o patrimônio dos devedores poderá ser atingido.

Existem três ações judiciais de cobrança de dívida cabíveis: Ação de Cobrança, Ação Monitória e Execução de Título Extrajudicial. O tempo de demora de cada uma dependerá do título de crédito e do patrimônio do devedor. Tratando-se de uma nota promissória, cheque ou duplicata, por exemplo, o tempo previsto para recuperação de crédito é bem menor, pois o Poder Judiciário oferece um curto prazo para pagamento pelo devedor e, não havendo, permite atingir os bens rapidamente.

Existem duas formas de cobrar uma dívida: Judicial ou Extrajudicial. A primeira ocorre pelo ajuizamento de uma ação, na qual o credor irá requerer ao juiz a liquidação de um crédito devido, usufruindo de instrumentos judiciais cabíveis. A segunda é a forma amigável, sem interferência do judiciário, para obter o crédito. Os instrumentos mais comuns são: notificação extrajudicial e tratativas de acordo através dos representantes legais das partes, evitando contato direto entre credor e devedor e impedindo o litígio.

A cobrança de uma dívida judicialmente é o meio mais eficaz para obter o retorno financeiro desejado quando amigavelmente não houve êxito. Por meio de atos e instrumentos judiciais, é possível coagir o devedor a quitar o débito em um curto período de tempo, haja vista o grande risco de perda dos bens do patrimônio para solução do litígio.

O ajuizamento de uma dívida é levar ao Poder Judiciário o conhecimento de um crédito pendente através da promoção de uma ação objetivando o retorno financeiro esperado por meio de instrumentos judiciais. O juiz apreciará o pedido para liquidação da dívida e prosseguirá com as formas pertinentes a cada caso.

A recuperação de crédito é o meio de cobrança de dívidas cujo objetivo é regularizar os efeitos da inadimplência às pessoas físicas e jurídicas credoras, priorizando a negociação amigável e, sem êxito, partindo para a via judicial (cobrança judicial), observando as condições de ambas as partes.